Páginas

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

A Guerra dos Tronos - George R. R. Martin

The winter is coming...


Enfim a resenha do A Guerra dos Tronos, do George Martin. Neste livro, publicado em 1996, ele lança As Crônicas de Gelo e Fogo, uma série cuja qualidade é quase indiscutível. Martin tem uma criatividade imensurável. Treze anos depois, os livros renderiam uma série de TV no HBO, o Game of Thrones.

Eu não sou hispter que diz que já gostava dos livros antes da série passar na TV. Como muitos, a conheci quando assistir Game of Thrones era a coqueluche do momento. Despretensiosidade, numa tarde, comecei a assistir. E gostei. Muito. Demais. Assisti a metade da primeira temporada naquela tarde. E assim foi... Só aí me interessei por ler os livros. Então comprei todos os cinco já lançados:



São verdadeiros tijolos. O primeiro, A Guerra dos Tronos, o motivo principal dessa resenha, é o menor deles, com 592 páginas. Este:


Você precisa se dedicar bastante a este livro. Além de ter muitas páginas, cada uma delas possui 45 linhas preenchidas de letrinhas muito pequenas. Talvez seja necessário tirar aquele óculos da gaveta. Eu li a maior parte desse livro em menos de uma semana (ritmo que fora interrompido pela volta às aulas). Mas terminei. E fiquei muito feliz, pois, ao contrário do que muitos previram, a HBO conseguiu ser muito leal aos livros na produção da série de TV. É claro que muitos detalhes ficam de fora, como não poderia deixar de ser, mas do resto, fiquei muito surpreso.

Antes de tudo, há uma coisa que você precisa saber para ler essa série: nunca, jamais, em nenhuma circunstância se apegue aos personagens. Um dia santo, outro dia vilão, traidor. Mas quem diz que o indivíduo X é ou não tudo isso? Ninguém sabe... Os capítulos são narrados em terceira pessoa, mas cada um deles se incia com o nome de um personagem, o que indica que os fatos serão narrados sob a perspectiva destes. Lembre-se: sob a sua perspectiva, um indivíduo pode ser o Capeta, mas no entender de uma outra pessoa, este mesmo pode ser o Deus em pessoa. Pense nisso. É aí que está a genialidade da série: não há heróis. Ou há muitos heróis?
São quase 200 personagens citados durante a narrativa (o que naturalmente vai te confundir um pouco no início... talvez até o meio) e George Martin não pensa duas vezes antes de matar qualquer um deles, portanto pense muitas vezes antes de se apegar a qualquer um deles. São oito personagens de ponto de vista, isto é, partir destes que vamos conhecer as história dos Sete Reinos de Westeros.


Os personagens de ponto de vista são:
  • Eddard Stark, ou também conhecido como Ned, é lorde de Winterfell, o reino que fica no norte de Westeros. Um homem honrado, de fibra, exceto por ter tido um bastardo.
  • Jon Snow é o filho bastardo de Ned. Ele é resultado de uma batalha da qual Ned participou e voltou com um filho. Quem é a mãe? Fica aí um mistério. Jon vive muito bem com todos, inclusive com os filhos legítimos do Lorde Stark, mas tem alguns atritos com Catelyn.
  • Catelyn Stark é mulher de Ned. Ela é da Casa Tully. Nutre por Jon Snow um ódio profundo. Do resto, aparenta ser uma boa mãe.
  • Sansa Stark é, talvez, a menina mais chata do mundo (há muita imparcialidade nisso, sorry). Apelidada por muitos leitores de Sonsa, ela também é filha de Ned e sonha em, um dia, se casar com um príncipe, ter filhinhos para educar e ser feliz para sempre, numa cadeira tricotando um cachecol para seu amado... Ah! Ela é odiosa.
  • Brandon Stark é, também, filho de Ned. É um pequeno garoto que gosta muito de escalar o castelo de Winterfell. Logo no início do livro ele fica paraplégico por causa disso.
  • Arya Stark, também filha de Ned, é uma menina aventureira que não gosta da vida pacata que muitas meninas levam. Gosta de arco, flecha e espadas. Seu lazer é estar com os garotos lutando ou correndo. É necessário dizer que Ned tem outros dois filhos: o mais velho, que é Robb, e o mais novo, que é Rickon.
  • Tyrion Lannister é um anão. Divertidíssimo, ele é da poderosa família Lannister. Irmão da rainha Cersei, ele é totalmente incorreto segundo os padrões de sua família.
  • Daenerys Targeryen é uma menina distante dessa realidade apresentada. Filha do Rei Louco, que fora deposto pelo atual, ela e seu irmão, Viserys, acreditam nos dragões e buscam o trono de Westeros que dizem ser de sua propriedade.
Apresentados os personagens de ponto de vista, é hora de falar sobre a história. Só lembrando que não tem spoiler algum. Pode ler.
Westeros é uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno muito mais que isso. É uma época medieval. E isso é entendido a partir de vários aspectos dessa época: a monarquia, suserania e vassalagem, espadas, armaduras etc. Mas, uma coisa é diferente: se a nossa Idade Média foi marcada pela extrema influência da Igreja, em Westeros a religião é politeísta e extremamente descentralizada: a única organização é entre deuses novos e antigos. Westeros tem a muralha, uma barreira de gelo quilométrica (tanto de largura quanto de altura) que protege o povo dos Outros (um dos mistérios do livro). Quem vive na Muralha, os Guardiões da Noite, são de uma seita militar muito rígida.
A narrativa, como observado pelos personagens de ponto de vista, se concentra, pelo menos no início, em Winterfell. Tudo começa quando Jon Arryn, a mão direita do rei de Westeros, Robert Baratheon, morre sob circunstâncias suspeitas. Então, o rei Robert vai ao norte fazer um convite a Ned Stark: que ele abandone sua terra natal e vá até Porto Real, no Sul, ser sua mão direita. Relutante, Ned decide ir, com o objetivo principal de investigar a morte de Jon Arryn, que era como um pai para ele. A partir daí, a história se pulveriza e as coisas se tornam mais interessantes. As meninas, Arya e Sansa, vão com Ned para Porto Real. Robb, Rickon e Brandon ficam em Winterfell junto da mãe. Jon Snow, sabendo que não caberia ir junto do pai, por ser bastardo, e por não querer ficar sob a tutela de Catelyn em Winterfell, decide ir para a Muralha ser um Guardião da Noite. Como pode perceber, agora temos narradores em todos os cantos de Westeros. E paro por aqui.

A narrativa é fantástica, incrível. O que eu contei não representa nem 3% do que acontece nesse primeiro livro. George R. R. Martin tem demonstrou um talento incrível ao criar um mundo completamente novo, com personagens de tanta personalidade. É por todo o conjunto da obra que dou ao livro a nota 10!  Um entretenimento de excelente qualidade não poderia ter outra nota.

Ah, só pra constar: o final desse livro vai fazer você se sentir injustiçado, pressentindo que, a partir daquilo, tudo vai dar errado. E vai mesmo. Mas, falamos sobre isso na resenha de A Fúria dos Reis (que ainda não li).

E você, já leu o livro? Ainda não? Então clique aqui e veja a página do livro no site da Editora Leya. Ao clicar, você encontrará outra sinopse, onde comprar etc. Entra lá.

E se você chegou até o fim, então siga o blog! É muito fácil. Vá ali no canto superior direito e clique em "Participar deste site". Você só precisa colocar seu login e senha de sua conta Google ou do Twitter ou do Yahoo. É grátis (ah vá) e isso ajuda pra caramba. Obrigado e até a próxima!

2 comentários:

  1. Muiiiitooo bbooooommmmm... Dahora... Com certeza irei ler... Se vc comprar ou me emprestar... Irei ver a série também... Fiquei fascinado... :-)

    ResponderExcluir